Referências históricas e redescoberta!

Por muitos séculos, os óleos essenciais foram utilizados para rituais religiosos, tratamento de doenças e outras necessidades físicas e espirituais. Talvez o povo dos tempos antigos tivesse uma compreensão maior dos óleos essenciais do que temos hoje.

Registros que remontam a 4500 a.C. descrever o uso de substâncias balsâmicas com propriedades aromáticas para rituais religiosos e aplicações médicas.

Os egípcios eram mestres no uso de óleos essenciais. Registros históricos descrevem como um dos fundadores da medicina "faraônica" foi o arquiteto Imhotep, que era o grão-vizir do rei Djoser (2780 - 2720 a.C.). Imhotep recebe frequentemente crédito pela introdução do uso de óleos, ervas e plantas aromáticas para uso medicinal.

Hieróglifos nas paredes dos templos egípcios retratam a mistura de óleos e descrevem centenas de receitas de óleos. Uma sala sagrada no templo de Ísis, na ilha de Philae, descreve um ritual chamado “Limpeza da carne e do sangue das divindades malignas”. Essa limpeza emocional exigiu três dias de limpeza usando óleos essenciais.

Um papiro antigo encontrado no Templo de Edfu continha receitas de fórmulas e perfumes medicinais usadas por alquimistas e sumos sacerdotes na mistura de substâncias aromáticas para rituais.

Os egípcios podem ser os primeiros a descobrir o potencial da fragrância. Eles criaram várias misturas aromáticas para uso pessoal e para cerimônias realizadas nos templos e pirâmides.

Bem antes dos tempos de Cristo, os antigos egípcios coletavam óleos essenciais e os colocavam em vasos de alabastro. Esses vasos foram especialmente esculpidos e modelados para alojar óleos essenciais. Em 1922, quando a tumba do rei Tut foi aberta, foram descobertos cerca de 50 frascos de alabastro projetados para armazenar 350 litros de óleo. Enquanto ladrões de túmulos haviam roubado quase todos os óleos preciosos, alguns dos frascos ainda continham vestígios de óleo. Os ladrões escolheram óleos sobre o resgate literal do rei em ouro brilhante, mostrando o quão valiosos eram os óleos essenciais perfumados para essa civilização antiga.

Em 1817, o Papiro de Ebers, um pergaminho médico com mais de 870 pés de comprimento, foi descoberto. Datado de 1500 a.C., o pergaminho incluía mais de 800 prescrições e remédios de ervas diferentes. Outros pergaminhos descreveram uma alta taxa de sucesso no tratamento de 81 doenças diferentes. Muitas misturas continham mirra e mel. A mirra ainda é reconhecida por sua capacidade de ajudar com infecções da pele e garganta e regenerar o tecido da pele. Devido à sua eficácia na prevenção do crescimento bacteriano, a mirra foi usada para o embalsamamento.

Os médicos de Ionia, Attia e Creta vieram às cidades do Nilo para aumentar seus conhecimentos. Nessa época, a escola de Cos foi fundada por Hipócrates (460 a 377 a.C.), a quem os gregos, com talvez algum exagero, nomearam o "Pai da Medicina".

Os romanos purificaram seus templos e edifícios políticos difundindo óleos essenciais. Eles também usavam aromático em seus banhos de vapor para revigorar as doenças frescas e afastar as doenças. 

Life Science Publishing (2016), "Capa de edição especial de óleos essenciais Referência Especial primeira edição".

shutterstock_1038117010.jpg

Referências Bíblicas

Existem mais de 200 referências a aromáticos, incensos e unguentos em todo o Antigo e Novo Testamentos da Bíblia. Aromáticos, como incenso, mirra, gálbano, canela, cássia, alecrim, hissopo e nardo, foram usados ​​para unção e cura o doente.

Em Êxodo, o Senhor deu a seguinte receita de musgos para o óleo sagrado da unção: quinhentos siclos (cerca de um galão) de mirra, duzentos e cinquenta siclos de canela, duzentos e cinquenta siclos de Cálamo, quinhentos e cinquenta siclos de Cássia e um hin (cerca de 1 1/3 galões) de azeite.

 

O Novo Testamento registra que os sábios apresentaram ao menino Cristo incenso e mirra. Há outro precioso aromático, Spikenard, descrito na unção de Jesus: “E estando em Betânia na casa de Simão, o leproso, sentado na carne, veio uma mulher com uma caixa de unguento de unguento de Spikenard muito preciosa; e ela freou a caixa e derramou-a na cabeça dele ”(Marcos 14: 3). A unção de Jesus também é mencionada em João 12: 3: “Então tomou Maria uma libra de unguento de nardo, muito cara, ungiu os pés de Jesus e enxugou os pés com os cabelos dela; e a casa estava cheia de odor da pomada. ”

 

A Bíblia também registra um incidente em que uma oferta de incenso por Arão interrompeu uma praga. Números 16: 46-50 registra que Moisés instruiu Arão a fazer um incensário, adicionar brasas e incenso e “entrar rapidamente na congregação para fazer uma expiação por eles: pois há uma ira que sai do Senhor; a praga está iniciada. " A Bíblia registra que Arão ficou entre os mortos, os vivos e a praga. É significativo para as receitas bíblicas e talmúdicas de incenso, três variedades de canela envolvidas. Sabe-se que a canela é altamente antimicrobiana, anti-infecciosa e antibacteriana. 

Life Science Publishing (2016), "Essential Oils Desk Reference Special First Edition Hardcover".

Other References

Napoleon is reported to have liked a cologne water made of Neroli and other ingredients so much that he ordered 162 bottles of it. After conquering Jerusalem, one of the things the Crusaders brought back to Europe was solidified essence of roses.

shutterstock_618579932.jpg

And the 12th century mystic, Hildegard of Bingen, used herbs and oils extensively in healing. This Benedictine nun founded her own convent and was the author of numerous works. Her book, Physica, has more than 200 chapters on plants and their uses for healing.

Life Science Publishing (2016), "Essential Oils Desk Reference Special First Edition Hardcover".

shutterstock_1038117481.jpg

The Rediscovery

The reintroduction of essential oils into modern medicine first began during the late 19th and early 20th century.

During World War 1, the use of aromatic essences in civilian and military hospitals became widespread. One physician in France, Dr. Monciere, used essential oils extensively for 

their antibacterial and wound-healing properties and developed several kinds of aromatic ointments.

Rene-Maurice Gattefosse, Ph.D.. a French cosmetic chemist, is widely regarded as the father of aromatherapy. He and a group of scientists began studying essential oils in 1907.

 

In his 1937 book, Aromatherapy, Dr. Gattefosse told the real story of his now-famous use of Lavender essential oil to heal a serious burn. The tale has assumed mythic proportions in essential oil literature. While the event did not start him on the road to essential oil research (he was already studying the oils), his own words about this accident are even more powerful than what has been told over the years.

 

Dr. Gattefosse was literally aflame – covered in burning substances – following a laboratory explosion in July, 1910. After he extinguished the flame by rolling on a grassy lawn, he wrote that “both my hands were covered with rapidly developing gas gangrene. Dr. Gattefosse said that “just one rinse with Lavender essence stopped the gasification of the tissue. This treatment was followed by profuse sweating and healing, which began the next day.”

 

Robert B. Tisserand, the editor of The International Journal of Aromatherapy, searched for Dr. Gattefosse book for 20 years. A copy was located and Tisserand edited the 1995 reprint. Tisserand noted that Dr. Gattefosse’s burns “must have been serve to lead to gas gangrene, a very serious infection. “

 

Dr. Gattefosse shared his studies with his colleague and friend, Jean Valnet, a medical doctor practising in Paris. Exhausting his supply of antibiotics as a physician in Tonkin, China, during World War !!, Dr Valnet began using therapeutic-grade essential oils on patients suffering battlefield injuries. To his surprise, they exerted a powerful effect in combating and counteracting infections. He was able to save the lives of many soldiers who might otherwise have died.

 

Two of Dr. Valnet’s students, Dr. Paul Belaiche and Dr. Jean Claude Lapraz, expanded his work. They clinically investigated the antiviral, antibacterial, antifungal, and antiseptic properties in essential oils.

Because of the work of these doctors and scientists, the healing power of essential oils is again gaining prominence.

Life Science Publishing (2016), "Essential Oils Desk Reference Special First Edition Hardcover".